sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Natal

Que este renascimento anual de Nosso Senhor Jesus Cristo
traga Paz e Amor a todos os Homens de boa vontade,
são os nossos sinceros votos.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Cristo Vive e sua Mãe também

Este Cristo, presente na Igreja de São Carlos, sugere-nos dois pensamentos.
O primeiro, o Cristo ressuscitado (a parte fisica da imagem). O segundo, o Cristo crucificado (a sombra na imagem).
Fiquemos com este pensamento duplo e meditemos sobre o mesmo.
Pensemos ainda, na sua Mãe Santíssima que no-lOs deu para o pregarmos na Cruz e a dor que deve ter tido nesse momento e pensemos também, a alegria que, de certeza teve, ao revê-lO, dias depois.
Nos próximos dias, meditemos nisto tudo e peçamos a Ela, Nossa Mãe, Mãe dos Romeiros, que ilumine os que já ouviram o Seu chamamento e ilumine outros irmãos a nos acompanharem na proxima romaria, que começará no dia 20 de Fevereiro de 2008 e, como o Terço na mão rezar-Lhe palavras de louvor e devoção.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Caminhos de Santiago

E pelos caminhos de Santiago, porque para além do caminho fisico, houve o "outro" caminho, o espiritual, bem mais rico e enriquecedor que os levou em direcção a Cristo, por onde andaram 4 dos nossos irmãos. A eles um abraço fraterno dos restantes, que por esta ou aquela razão, não lhes foi possivel palmilharem os mesmos caminhos.

Aqui ficam algumas fotos dessa viagem...



No interregno


Após a longa caminhada de uma romaria, há que viver o resto do ano com o espirito de romeiro e, não só os dias que se passaram.
Após isso e mensalmente, nada como um encontro entre irmãos, para além dos preparativos da próxima, ouvirmos da boca do nosso Guia Espiritual, palavras de Verdade e de Fé, que nos reconfortam a alma e nos fazem viver uma vida mais em comunhão com Cristo.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Biblia Sagrada



"Por graça de Deus sou homem e cristão, pelas minhas acções grande pecador, por condição, um peregrino desabrigado humilissimo, que vai errando de lugar em lugar. Os meus haveres são um saco às costas, com um pouco de pão seco e uma Biblia Sagrada que levo debaixo da camisa. Outra coisa não tenho"


Uma pequena passagem de um livro que dá pelo nome de Narrações de um peregrino russo, anónimo do seculo 19. Trata da narração da jornada do autor pelo país, enquanto descobrindo e praticando a Oração de Jesus devotamente, com ajuda de um rosário e estudando a Filocalia.
Aqui está a essencia pura de um peregrino ou romeiro como lhe queiram chamar. A Biblia Sagrada acima de tudo, e o caminhar errante, qual peregrino, transmitido aqui e ali a Palavra de Deus, no intuito de uma permanente evangelização e de uma constante procura interior de Cristo, nosso salvador.
A quem quiser, temos este livro em suporte informático em espanhol. A quem quiser, mande o email.

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

A Peregrinação


"34. A peregrinação conduz à tenda do encontro com a Palavra de Deus. A experiência fundamental da peregrinação deve ser a da escuta, porque"de Jerusalém sairá a palavra do Senhor"(141). Empenho primário da viagem santa é, por isso, o da evangelização que, com frequência, é conatural aos próprios lugares sagrados (142). O anúncio, a leitura e a meditação do Evangelho devem acompanhar os passos do peregrino e a própria paragem no santuário, para que se actue quanto o Salmista afirma:"A Vossa palavra é qual farol para os meus passos, e uma luz para os meus caminhos"(143).Os momentos de peregrinação, por causa das circunstâncias que os suscitam, das metas a que se dirigem, da sua proximidade às necessidades e alegrias quotidianas, são um campo já favorável ao acolhimento da Palavra de Deus nos corações (144); assim a Palavra torna-se fortaleza da fé, alimento espiritual, fonte pura e perene de vida espiritual (145).Toda a acção pastoral ao serviço da peregrinação deve concentrar os seus esforços nesta aproximação do peregrino à Palavra de Deus. Em primeiro lugar, deve ser predisposto um processo catequético adaptado às circunstâncias da sua vida de fé, expressivo da sua realidade cultural, através dos meios de comunicação realmente acessíveis e de provada eficácia. Esta apresentação catequética, por outro lado, enquanto terá em consideração os eventos que se celebram nos lugares visitados e a sua índole peculiar, não deverá esquecer a necessária hierarquia na exposição das verdades da fé (146), nem uma colocação no interior do itinerário litúrgico, no qual toda a Igreja participa (147)."
Uma pequena parte de um texto belo sobre peregrinações ou romarias, retirado daqui. Aconselho a lerem na sua totalidade, não só pelo assunto em sim, como também pela beleza das palavras.

domingo, 14 de outubro de 2007

Humildade


E perante a nossa dimensão face ao Divino, o Homem também chora, não lágrimas de tristeza, mas lágrimas de contentamento, de alegria, após um período passado ao lado de sua mãe Maria Santíssima, quase que de mãos dadas.

Cruz


A Cruz das nossas vidas
a que nos leva ao encontro de Deus
nesta caminhada
de Vida
de Fé
e de Esperança
em Cristo
nosso salvador

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Análise e Prespectiva das Romarias da Terceira

Artigo Publicado na Quinta-Feira, dia 22 de Março de 2007, por Tomaz Dentinho no Jornal "A União"
"Não faltou nenhum dos romeiros para além do "nosso irmão" de São Miguel que, naturalmente, teve de regressar à sua ilha. Éramos vinte e quatro e desta vez todos fizeram a análise e prospectiva da primeira romaria da Ilha Terceira desde que acabaram há cento e cinquenta anos.Todos foram unânimes na revolução interior e exterior que a romaria produziu. Em cada um de nós criou-se um novo espaço para a mensagem de Jesus Cristo por intercessão de Nossa Senhora. Para o exterior registaram-se com agrado os testemunhos de simpatia e sintonia entre os romeiros, as suas famílias e o povo da Ilha Terceira.Um dos pontos positivos mais importantes foi a estreita ligação entre o seminal movimento dos romeiros da Ilha Terceira e o clero da ilha. Primeiro porque foi o Padre Francisco Dolores que estimulou e orientou a criação do rancho de romeiros. Segundo porque foi o diácono Dinis Silveira que acompanhou com entusiasmo a romaria. Finalmente porque foram os párocos das diversas paróquias por onde a romaria passou que esclareceram as pessoas da passagem da romaria e mobilizaram a hospitalidade de que qualquer movimento nómada carece.Também foi muito boa a liderança do mestre, Hélder Ávila, e do contramestre, Dinis Silveira de acordo com as opiniões de todos. E dá algum trabalho essas funções de orientação espiritual e logística do rancho. Na parte espiritual foi necessário organizar o pequeno livro que nos servia de cábula nas orações de entrada, estada e saída das igrejas e ermidas, preparar e expor as reflexões para cada dia, e mobilizar e coordenar a participação de cada um nas reuniões de partilha que se foram fazendo. Na parte logística foi importante escolher os caminhos e os seus tempos, orientar as ofertas de dormidas e de refeições e perceber a dinâmica do rancho para marcar os descansos e os andamentos.Alguns dos romeiros que foram de opinião que cada um deveria levar a sua saca com comida para os vários dias de romaria e não planear ou aceitar as dádivas de refeições que foram chovendo ao longo do percurso. Segundo eles isso permitia uma caminhada mais pessoal e recolhida. No entanto não foi isso que aconteceu pois a lógica de pôr tudo em comum e de organizar as refeições com algum planeamento acabou por resultar em refeições à mesa, majestosamente servidas pelos diversos dadores.Se houve aspectos que podem e devem ser corrigidos são os relacionados com a caminhada. Pensámos mal quando julgámos que a volta às ermidas e igrejas da Ilha Terceira se poderia fazer em quatro dias. Para cento e cinquenta quilómetros e mais de cem igrejas e ermidas, onde de reza durante um quarto de hora, são necessários cinco dias. E se quisermos visitar algumas ermidas do mato valerá a pena chegar aos seis dias.Mas o importante foi aquilo que ficou pensado para o futuro. A próxima reunião será no dia 18 de Abril no Centro Paroquial da Igreja da Conceição às 20 horas. E para essa reunião deverão ir todos os romeiros e também aqueles que querem integrar uma nova romaria no próximo ano. O repto já foi lançado para o Ramo Grande mas todos ficaram com a ideia de que é possível atingir cinco ou seis ranchos de romeiros na Ilha Terceira dentro de pouco tempo. Também de falou na participação dos romeiros nas peregrinações ao Santuário da Serreta e no apoio ao lançamento das romarias em outras paragens certamente com o suporte dos irmãos mais experientes de São Miguel. São Jorge, Pico e Faial justificam uma retoma das romarias e também o Continente Português precisa ouvir mais os Ave Marias dos Romeiros dos Açores nos caminhos para Fátima."

domingo, 30 de setembro de 2007

Um punhado de homens


E eis que no meio de uma sociedade cada vez mais materialista e cada vez menos humana e espiritual, um punhado de homens juntou-se para, em comunhão com Deus, percorrerem as estradas desta ilha, de Jesus por sinal, orando e louvado Àquele que nos deu vida e, que nem sempre sabemos agradecer e retribuir.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

O principio do "fim"

E já no último dia, na ermida de Santo António e, antes da refeição em comunhão com as familias, houve ainda um momento especial, que para além da pausa para introspecção e meditação, saboreámos as palavras do irmão Castro, entre alguns risos e lágrimas à mistura, palavras essas, com a sabedoria de quem já anda em Romarias há 25 anos.

sábado, 8 de setembro de 2007

Pela Madrugada

E com esta particularidade de inserir videos no blogspot, aqui fica um video amador feito numa madrugada durante a romaria. É bom relembrarmos alguns cânticos e com eles, sentirmos elevar as nossas almas mais para junto d´Ele através da sua Mãe Maria Santissima.

video

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Convite

E após um pequeno intervalo por razões de força maior, voltámos novamente ao activo, ficando aqui o convite a quem esteja interessado "ingressar" nos Romeiros, para estar no próximo sábado dia 8 pelas 18 horas na igreja da Conceição. Dali iremos partir em direcção à Serreta, não só numa caminhada de fé, mas também de amizade e descontração.
Para o mês que vem voltaremos às reuniões habituais.

sexta-feira, 27 de julho de 2007

Ensaio da voz


E para além do terço, do bordão e outras artefactos nos preparativos da 1ª saida, houve também a necessidade de afinar as vozes e o tom, não só dos cânticos próprios para as missas, como também dos cânticos que fomos cantando durante toda a caminhada, com especial relevo para o "Avé Maria" calmo e relaxante que ainda hoje não nos saí da mente.

Aqui fica um desses momentos onde, o "nosso Dinis" ainda Diácono e nos ensaiava o melhor que podia, para vozes que raramente cantavam mas que, pelas opiniões de pessoas de fora nos transmitiram, afinal até cantamos com alguma qualidade.

Uma foto...


E no meio desta caminhada de fé, parávamos aqui e ali, não só para um descanso merecido das pernas, como também para dois dedos de conversa sobre tudo e sobre nada.
Num dos locais, o irmão Victor captou esta foto, que aqui é publicada, onde a particularidade e singularidade da mesma, reside no facto da árvore ali presente, quiçá há mais tempo que alguns de nós de vida, ser uma mistura da cruz de Cristo e a coroa de espinhos que Ele usou.

Coincidência ou um sinal…fica a pergunta no ar.

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Missa Nova

Ontem tivemos a Missa Nova do Pe. Dinis Silveira, no ringue da Casa do Povo de Feteira, pelas 16:30.
Entre o sol e a ligeira brisa, qual sopro de Deus, tivemos uma eucaristia onde não faltaram os cânticos em latim, tão bem cantados pelo Coro de Ponta Garça, Ilha de São Miguel.
O tapete por onde o "nosso dinis" passou, simbolizava o corpo e sangue de Cristo (hóstia e calice), tapete esse executado desde as 9:00 até quase às 16:00 por nós.
Depois dessa celebração, tão bela e sentida, houve o jantar para todos os presentes, na Casa do Povo da Ribeirinha.
Com a brevidade possivel, e entre outras coisas, tentaremos por aqui algumas fotos alusivas a esta missa.

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Missa Nova do Padre Dinis Silveira

(foto e artigo retirados do Jornal a União)

O Padre Dinis da Silveira vai celebrar a sua Missa Nova no próximo dia 22 de Julho na Paróquia de Nossa Senhora das Mercês, na Feteira.

O Padre Dinis da Silveira vai celebrar a sua Missa Nova no próximo dia 22 de Julho na Paróquia de Nossa Senhora das Mercês, na Feteira.
As cerimónias religiosas começam no dia 18 de Julho, com confissões (19h00), seguindo-se a recitação do Terço pelos movimentos da Paróquia.Às 20h00 será a Missa do Tríduo, com a pregação do Padre Nuno sobre o tema “Somos um Povo”. Esta Missa será animada pelo Grupo Coral local e presidida pelo Padre Júlio Rocha.
Na Quinta-feira, dia 19 de Julho, está previsto uma visita ao Centro de Convívio da Terceira Idade (15h00) e a exposição do Santíssimo Sacramento será pelas 19h00. Durante este período haverá confissões. Pelas 20h00, celebrar-se-á a Missa do Tríduo, com a pregação do Padre Nuno sobre o tema “Vocação”. A Missa, presidida pelo Padre Nuno Maiato, será animada pelo Rancho de Romeiros da Ilha Terceira.
No dia 20 de Julho, Sexta-feira, as confissões serão às 19h00, seguindo-se a celebração de mais uma Missa do Tríduo, com pregação do Padre Nuno sobre o tema “O Sacerdócio proposta de seguimento. A Missa, neste dia, será animada pelo Grupo de Escuteiros e por vários grupos de jovens da ilha. Preside a esta celebração o Monsenhor Gregório Rocha. Pelas 21h00 haverá uma Vigília de oração.
No Domingo, 22 de Julho, dia da Missa Nova, pelas 16h00, será a recepção da filarmónica e o cortejo até à Igreja. A paramentação dos ministros organização da procissão em direcção ao ringue da Casa do Povo será pelas 16h20.A Missa Nova Solene de Acção de Graças será celebrada pelas 16h30, e a pregação ficará a cargo do Padre Ricardo Pimentel.
Dinis Manuel Branco da Silveira é aluno finalista do Seminário Episcopal de Angra do Heroísmo, sendo natural da freguesia da Feteira, na ilha Terceira, onde nasceu a 11 de Março de 1982.Os seus pais são António Silveira Dinis e Maria Filomena da Silva Branco Dinis.Entrou para o Seminário de Angra, em Setembro 1998, estando matriculado na Escola Secundária Jerónimo Emiliano de Andrade no 10º ano de Escolaridade, completando o 12º ano em Junho de 2001, altura em que iniciou o Sexénio Filosófico/Teológico do Seminário Episcopal de Angra. No âmbito da sua formação inicial para o sacerdócio, Dinis Silveira, além dos estudos académicos no Seminário, dedicou-se ao trabalho pastoral, particularmente aos retiros do movimento da Mensagem de Fátima, aos Encontros Shalon, organizados pelas paróquias, e ao Movimento do CNE, entre outros. Ao nível da sua paróquia de origem, colaborou também na organização do grupo de acólitos, catequese, grupo coral, entre outras actividades.“Apresentar a figura de Jesus Cristo como solução para tanto desencanto provocado por uma sociedade que anda ao sabor da maré”. Esta é a linha orientadora que Dinis Manuel Branco da Silveira pretende incutir na sua acção sacerdotal.
Em declarações recentes ao nosso jornal, o jovem sacerdote sublinhou que a actual sociedade revela-se um “bocado diluída de valores, não existindo traves mestras de orientação”.Citando o próprio Papa Bento XVI, Dinis Silveira observa uma vivência sob “a ditadura do relativismo”, o que causa “enorme confusão aos jovens, que são sempre reflexo das pessoas que acabam por impor as acções e pensamentos sociais”.Deste modo, é imperioso apresentar “Cristo libertador”, já que a Sua figura “não é fútil”.“Não há perspectiva nem alegria pelo futuro. É preciso construir uma existência com sentido, onde sabemos que somos salvos por Jesus Cristo” – reforça o raciocínio.Para Dinis Silveira, “apesar da Cruz, Jesus é que nos dá esperança, sendo que é na Igreja que se quis fazer presente”.De qualquer modo, nota um “grande ‘boom’ na busca do Sagrado”, com associações e comunidades “pujantes interessadas nas suas raízes aos níveis religioso e espiritual”.Dinis Silveira olha para a sua recente ordenação sacerdotal com “um fim e um princípio”.“Representa o culminar do meu percurso de aprendizagem e amadurecimento no Seminário e, ao mesmo tempo, é o início da grande aventura seguindo Jesus Cristo” – argumenta.Sublinha que a sua escolha foi “inteiramente pessoal”, sendo que o chamamento de Deus “é absolutamente livre de qualquer pressão”.Enfatiza, neste contexto, que ser Padre “já não é uma questão social, que representava uma grande honra para a família”.

segunda-feira, 9 de julho de 2007

Convite


A todos os irmãos e, a quem sinta dentro do seu âmago aquele chamamento silencioso e doce de Deus, informa-se que a nossa próxima reunião é depois de amanhã, 4ª feira dia 11 pelas 20:00, no salão de catequese do Santuário da Nossa Senhora da Conceição, sito na Rua do Cruzeiro.

terça-feira, 3 de julho de 2007

Reuniões preparatórias para a Caminhada





E nestas reuniões preparatórias, para além da componente espiritual, também houve a preparação material dos dias que se avizinhavam, para além de nos conhecermos mais um pouco uns aos outros.

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Simbolos




E na continuação deste diário aqui ficam os "simbolos" que usamos durante a Quaresma que, ao principio, parecem coisas do passado e no entanto, depois de tudo têm tanto significado.

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Primeiro post

E para começar este blog, pensamos que nada melhor do que dar os parabéns ao nosso Contra-Mestre e Guia Espiritual, o irmão Dinis que ontem passou de Diácono a Sacerdote. Como seria de esperar, depois de tudo o que ele (e não só) tem feito por nós em termos espirituais, também estivemos presentes nesta "sua" cerimónia de ordenação a qual, trouxe-nos à memória muitas coisas boas.










Que Deus o ajude nesta sua caminhada e o ampare nos momentos menos bons.