terça-feira, 2 de outubro de 2007

Análise e Prespectiva das Romarias da Terceira

Artigo Publicado na Quinta-Feira, dia 22 de Março de 2007, por Tomaz Dentinho no Jornal "A União"
"Não faltou nenhum dos romeiros para além do "nosso irmão" de São Miguel que, naturalmente, teve de regressar à sua ilha. Éramos vinte e quatro e desta vez todos fizeram a análise e prospectiva da primeira romaria da Ilha Terceira desde que acabaram há cento e cinquenta anos.Todos foram unânimes na revolução interior e exterior que a romaria produziu. Em cada um de nós criou-se um novo espaço para a mensagem de Jesus Cristo por intercessão de Nossa Senhora. Para o exterior registaram-se com agrado os testemunhos de simpatia e sintonia entre os romeiros, as suas famílias e o povo da Ilha Terceira.Um dos pontos positivos mais importantes foi a estreita ligação entre o seminal movimento dos romeiros da Ilha Terceira e o clero da ilha. Primeiro porque foi o Padre Francisco Dolores que estimulou e orientou a criação do rancho de romeiros. Segundo porque foi o diácono Dinis Silveira que acompanhou com entusiasmo a romaria. Finalmente porque foram os párocos das diversas paróquias por onde a romaria passou que esclareceram as pessoas da passagem da romaria e mobilizaram a hospitalidade de que qualquer movimento nómada carece.Também foi muito boa a liderança do mestre, Hélder Ávila, e do contramestre, Dinis Silveira de acordo com as opiniões de todos. E dá algum trabalho essas funções de orientação espiritual e logística do rancho. Na parte espiritual foi necessário organizar o pequeno livro que nos servia de cábula nas orações de entrada, estada e saída das igrejas e ermidas, preparar e expor as reflexões para cada dia, e mobilizar e coordenar a participação de cada um nas reuniões de partilha que se foram fazendo. Na parte logística foi importante escolher os caminhos e os seus tempos, orientar as ofertas de dormidas e de refeições e perceber a dinâmica do rancho para marcar os descansos e os andamentos.Alguns dos romeiros que foram de opinião que cada um deveria levar a sua saca com comida para os vários dias de romaria e não planear ou aceitar as dádivas de refeições que foram chovendo ao longo do percurso. Segundo eles isso permitia uma caminhada mais pessoal e recolhida. No entanto não foi isso que aconteceu pois a lógica de pôr tudo em comum e de organizar as refeições com algum planeamento acabou por resultar em refeições à mesa, majestosamente servidas pelos diversos dadores.Se houve aspectos que podem e devem ser corrigidos são os relacionados com a caminhada. Pensámos mal quando julgámos que a volta às ermidas e igrejas da Ilha Terceira se poderia fazer em quatro dias. Para cento e cinquenta quilómetros e mais de cem igrejas e ermidas, onde de reza durante um quarto de hora, são necessários cinco dias. E se quisermos visitar algumas ermidas do mato valerá a pena chegar aos seis dias.Mas o importante foi aquilo que ficou pensado para o futuro. A próxima reunião será no dia 18 de Abril no Centro Paroquial da Igreja da Conceição às 20 horas. E para essa reunião deverão ir todos os romeiros e também aqueles que querem integrar uma nova romaria no próximo ano. O repto já foi lançado para o Ramo Grande mas todos ficaram com a ideia de que é possível atingir cinco ou seis ranchos de romeiros na Ilha Terceira dentro de pouco tempo. Também de falou na participação dos romeiros nas peregrinações ao Santuário da Serreta e no apoio ao lançamento das romarias em outras paragens certamente com o suporte dos irmãos mais experientes de São Miguel. São Jorge, Pico e Faial justificam uma retoma das romarias e também o Continente Português precisa ouvir mais os Ave Marias dos Romeiros dos Açores nos caminhos para Fátima."

2 comentários:

Lua dos Açores disse...

Só para "assinar" a minha primeira entrada aqui e dizer que estou surpreendida pois desconhecia a existência de Ranchos na Terceira, gostei de entrar no vosso blog e vou lê-lo com toda a atenção

Abraço fraterno

Ana Loura

Irmão Romeiro disse...

Volte sempre Ana Loura, será sempre bem recebida.