quinta-feira, 6 de agosto de 2009

A recitação do terço do rosário num Rancho de Romeiros



Artigo publicado no jornal "A União" no passado Sábado dia 1 de Agosto.


“Durante os longos dias de caminhada, a nossa alma sustenta-se no poder da recitação do terço”.

Esta minha pequena afirmação, ainda que possa parecer para a maioria das pessoas, uma frase feita ou uma frase pomposa cheia de folhos mas vazia de conteúdo ou significado, está completamente enganada. Não que nós sejamos diferentes, nada disso, mas todos aqueles que, em romaria, peregrinação ou no dia a dia recitam o terço, sentem precisamente o mesmo.

Dia após dia, o terço vai rodando na mão vezes sem conta, enquanto contamos as contas que o terço tem. Tal como o mundo que vai girando sem fim, assim é o nosso terço durante estes dias, enquanto que a Cruz, essa permanece de pé, sem vacilar. O terço é quase como uma extensão da Cruz onde cada um de nós, nas suas orações desempenha um papel de “Cirineu” em relação a Cristo. Não só aliviamos as Suas dores como especialmente as de todos nós/vós, meros pecadores.
A recitação do terço, quase ininterruptamente durante a caminhada, torna os quilómetros em metros, torna as passadas cansadas em passadas de descanso, torna visível o invisível.
A recitação do terço propicia assim uma atitude muito simples, que faz com que, ao mesmo tempo que pronunciamos com os lábios as Ave-Marias, o fundo do nosso coração fica unido ao Senhor. Deus chama-nos deste modo a rezar esta oração vocal mantendo o coração numa simples atenção amorosa para com Ele, em Jesus, com Maria.
Depois desta breve introdução das graças obtidas na oração, e ainda que a recitação do terço feita por nós seja um pouco diferente, essa diferenciação apenas se prende na tradicional “Avé-Maria dos Romeiros” cantada num ritmo lento onde cada silaba tem um peso e o tom de voz é triste e melancolico, é o reflexo da viagem sacrificial que fazemos, é o reflexo do Calvário, da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Esta Avé-Maria dolente, movida pela aflição e pela fé de cada um, dos seus, do mundo e dos pedidos que são feitos ao rancho, promove o reencontro entre todos os irmãos na sua expressão mais simples, a humildade. A oração promove, igualmente, o nosso/vosso reencontro com Deus. Oração muitas vezes sofrida, mas sentida. Muitas vezes chorada, mas cheia de esperança. Muitas vezes muda, mas cheia de fé. Recitamos o terço desta forma porque, como romeiros, existimos materialmente apenas na quaresma, exteriorizando a nossa fé, ainda que espiritualmente vivamos o resto do ano uma romaria mais interiorizada.
Termino dizendo que, como Romeiro que cada um de nós é (Cristão, mesmo o que aparentemente possa não crer), “vivemos no Sábado, o dia sem nome. Vivemos entre a Sexta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa, vivemos entre a promessa e o cumprimento da mesma.”* assim, durante este Sábado (que me atrevo a chamar de Sábado da Esperança) de caminhada, sustentemos a alma com a recitação do Terço.


* Excerto retirado do livro de Philip Yancey “O Jesus que eu nunca conheci”

1 comentário:

Paulo disse...

Olá, gostaria de mostrar o software sobre orações baseadas no rosário que eu escrevi, Multirosarium, que permite:

* aprender a rezar o Santo Terço, o Terço da Divina Misericórdia etc.
* meditar os mistérios do Terço utilizando belos ícones
* meditar os mistérios do Terço ouvindo leituras da Bíblia
* contar as orações sem precisar das contas de um Terço físico

Para orar online: http://multirosarium.com